Comunicação e Feedback: Ferramentas essenciais para líderes

Comunicação e Feedback: Ferramentas essenciais para líderes

Texto escrito por Elaine Andrade, facilitadora de referência nacional da Academia de Líderes.

A comunicação é uma importante ferramenta para a gestão da liderança em prol dos resultados que se busca alcançar. A comunicação é o mecanismo, por meio do qual, o líder compartilha a visão, alinha a equipe e reforça elementos importantes da cultura organizacional. Isso, vocês provavelmente já sabem. Mas por que ela é tão valiosa nas relações corporativas?

 

 

Comunicação Para Resultados

 

Peter Senge (1990) considera que o fator chave de sucesso para qualquer organização está baseado em 2 fatores que ele denomina de disciplinas para a formação das organizações que aprendem: uma é a disciplina visão compartilhada, e a segunda é o aprendizado em equipe

A visão compartilhada define os princípios e diretrizes que estabelecem a visão de futuro da organização, ou seja, onde ela pretende chegar e esta disciplina quando comunicada a todos os membros da organização, estimula o engajamento das equipes em relação a essa estratégia de futuro. É papel do líder comunicar e compartilhar esta visão, bem como de permitir que as pessoas falem e sejam ouvidas, para construirem uma visão que esteja igualmente alinhada às suas aspirações pessoais. O engajamento acontece na união do comprometimento com um trabalho significativo para as pessoas. A segunda, aprendizado em equipe, visa transformar as aptidões individuais em coletivas interligadas por meio de um processo eficaz de comunicação, propiciando a inteligência coletiva, que corresponde a coordenação de vários saberes, que são maiores do que a soma dos talentos individuais. A eficácia, portanto, não é resultado do esforço de um único indivíduo, mas sim resultado de ações sinérgicas, fortemente pautada no sentido de cooperação.

Nesse sentido, a comunicação afeta relações e os resultados no trabalho em equipe, por isso, é papel do líder responsabilizar-se pela qualidade da comunicação e estimular a sua equipe, desenvolvendo a empatia entre os membros, a partir de seu exemplo, a partir da sua predisposição em conhecer de forma mais próxima seus subordinados e estando atento à sua forma de comunicar para assegurar que a sua intenção e a sua comunicação dizem a mesma coisa. Qualquer dissonância entre o que se diz e como se diz provocará dúvidas e desviará a atenção do interlocutor. A influência acontece quando a liderança é capaz de comunicar-se de forma que seja possível obter os resultados que deseja e precisa, bem como para melhorar e manter as relações para o futuro.

Resultados excepcionais só podem ser obtidos por meio de uma equipe de alto desempenho. Uma equipe de alto desempenho pode ser conceituada como uma equipe cujos membros possuem total consciência de sua contribuição para o todo e aplicam seus conhecimentos e capacidades em prol dos resultados da equipe. Vale a pena ressaltar que comunicação é diferente de informação. Comunicação envolve expectativas, percepção, sentimento, interação. Informação é unilateral.

 

O Poder do Feedback

 

Um dos maiores erros que um líder pode cometer é negligenciar a prática de fornecer feedback para sua equipe. As pessoas querem e precisam saber como estão indo no desempenho do seu trabalho e o que precisam fazer para melhorar seus resultados.

O feedback é um processo que deve ser aplicado em todos os níveis da organização: indivíduos, equipes, processos de negócios e utilizado regularmente para medir os resultados em relação aos resultados realizados e o que foi realmente obtido. E como as pessoas, na organização, utilizam seu conhecimento e aptidões alcançar os objetivos empresariais e corrigir suas atitudes, caso não esteja atingindo os resultados conforme o planejado. A figura 1 mostra como ocorre esse processo:

 

FIGURA  1 – Feedback na visão dos sistemas
Fonte:   HAINES, Stephen G. Pensamento Sistêmico e Aprendizagem. Rio de Janeiro: Qualytmark, 2002, p.131

 

O líder deve orientar quanto aos objetivos que devem ser atingidos e orientar como fazê-lo e o que é necessário para se obter o resultado esperado. Dessa forma, o feedback orienta tanto sobre o sucesso obtido no alcance de algum objetivo específico ou de resultados, como nos pontos de melhoria, e ainda quanto à forma de aplicação dos conhecimentos e aptidões. O conhecimento é um insumo para melhorar a atitude do indivíduo, visto que boa parte das pessoas não sabem o que elas não sabem. O feedback é uma ferramenta para tomada de consciência quanto a aspectos inexplorados do comportamento humano, possibilitando ao indivíduo conhecer seus pontos fortes e atuar nos pontos fracos, pois quando as pessoas se sentem fortes, elas trabalham por mais tempo, com mais paixão e apresentam melhor desempenho.

Quando os indivíduos alcançam uma visão real e objetiva sobre si mesmo, em relação a seus comportamentos, valores, inclinações pessoais e fragilidades, começam a perceber os outros e o contexto ao seu redor e isso é essencial para o desenvolvimento pleno da maturidade. Nesse sentido, os indicadores de maturidade estão divididos em três dimensões: ter consciência de si mesmo, dos demais e do seu contexto. A consciência de si passa pela capacidade de refletir sobre si mesmo, reconhecendo suas características e limitações. Tem questões que são percebidas pelo próprio indivíduo, mas a maior parte só é percebida a partir da informação de outra de pessoa, em relação ao que ela ver e percebe.

A autoconsciência permite ainda equilibrar as emoções e desenvolver uma capaciade de tolerância ao estresse e isso faz com que o indivíduo desenvolva mais sua empatia, a capacidade de interagir com outras pessoas e a capacidade de ceder diante de situações adversas. Esses dois fatores combinados dão base para que aceite as demandas relacionadas ao seu papel, dentro do contexto organizacional, responda de forma positiva a mudanças no seu entorno e seja capaz de construir boas relações humanos para o alcance dos resultados desejados.

Para isso, é indispensável que as pessoas recebam constantemente feedbacks, para identificar suas potencialidades, mas também, aprender a corrigir fragilidades, dentro de um contexto social. Assim sendo, o grau de maturidade pode ser analisado a partir do comportamento observável no indivíduo, que também pode ser aprendido ou aprimorado.

A maturidade requer autoconhecimento, ou seja, a real visão sobre si mesmo, seus comportamentos e quais comportamentos e atitudes que interferem em seus resutados. Vivência prática, por meio da realização de projetos, desafios, leituras, observação de outras pessoas mais experientes e orientação. Profissionais conseguem aperfeiçoar sua maturidade se receberem a informação correta a respeito da sua conduta e daquilo que precisam melhorar. Por isso, Stephen Covey considera o feedback um dos maiores presentes que um gestor pode oferecer a um membro de sua equipe, principalmente o feedback construtivo a respeito de alguma deficiência que a pessoa nem imaginava possuir. Tomando consciência do que é necessário e atuando para se obter a mudança, o indivíduo pode alcançar o nível de excelência. O feedback ajuda a liberar o potencial de cada pessoa e a preparar as pessoas para que assumam desafios mais complexos e colocar em prática as habilidades adquiridas, visto que o desenvolvimento pessoal influencia o desenvolvimento organizacional.

 

Como Fornecer Feedbacks Eficazes?

 

É importante ressaltar que o feedback precisa ser uma ação contínua e não apenas no momento da avaliação de desempenho. Além disso, líderes dão feedback também quando treinam e orientam seus subordinados. Para que o resultado do feedback seja efetivo, é importante:

  • Ter um interesse genuíno em ajudar os membros da equipe a melhorar.
  • Falar a verdade, independente se é positiva ou negativa. Aponte os sucessos e os insucessos do subordinado, mas seja específico
  • Justificar o feedback, seja ele positivo ou negativo, com fatos. Foque em ações e não em conclusões.
  • Fornecer o feedback no momento adequado e com frequência.
  • Especificar o padrão de desempenho esperado e defina junto com o profissional, os resultados que devem ser alcançados.
  • Explicar a importância da mudança e as consequências caso as mudanças necessárias não sejam implementadas.
  • Elaborar um plano de ação, com ações que o colaborador possa de fato realizar para lidar com os problemas.
  • Estar aberto também ao aprendizado. Perceba suas reações e controle suas emoções.

 

Texto escrito por Elaine Andrade, facilitadora do time DMT. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *